Isso é Magis
03
nov

O ultramaratonista Fernando Pangaré bate seu recorde em Israel

Fernando Pangaré, ou Fernando Luciano Barros Xavier, cumpriu sua meta de terminar a prova em menos de quinze horas, apesar dos muitos desafios. Entre eles um engarrafamento inesperado em Madri, que quase o fez perder o voo para Israel. A solução foi, como sempre, acreditar em si mesmo e “usar as pernas”, conforme ele mesmo diz. Veja o vídeo em que ele próprio conta a aventura.

O recordista cearense de quilometragem acumulada (carioca mas cearense de coração) conseguiu chegar a tempo para pegar o avião, competir, e ainda bater o próprio recorde. A Magis tem muito orgulho em fazer parte dessa vitória.

12179687_10206626379754958_1750925636_n

A ultramaratona Suvev- Emek, realizada a 100 Km de Israel, é uma das provas de deserto mais difíceis do mundo. A prova tem três voltas de 33,3 Km, que passam por uma cadeia de montanhas. A largada é perto da madrugada, com um frio intenso, em uma situação muito específica. Pangaré conta que, neste trecho, é preciso correr com uma lanterna na cabeça, que dá a visão de aproximadamente dois metros à frente. Depois das 5h30, o sol aparece e, o clima muda: “ Começa a virar uma panela de pressão. São os extremos, ou é geladeira ou é maçarico”.

O preparo para enfrentar o mais recente desafio envolveu 12 provas em seis meses, incluindo maratona, meia-maratona e corridas de rua convencionais. Os treinos em Baturité foram para acostumar com a altitude. Pangaré usou a experiência dos anos passados para pensar na preparação.

A hospedagem também foi inusitada. Como único brasileiro competindo, teve direito a inscrição, hospedagem, transporte para o local da prova e alimentação. Ele fez parte de um intercâmbio realizado pela organização da prova, chamado de “famílias receptivas”. Foi hospedado na casa de um atleta, localizada a 5 Km da Faixa de Gaza.

Por sorte, não foi preciso desviar de nenhuma bomba, a Faixa de Gaza não é o principal alvo dos conflitos neste período. “O frio na barriga”, segundo Pangaré, foi saber que estava em meio a outro povo, outra cultura, com uma pronúncia de inglês difícil de ser compreendida.

panga

panga-2

Os trinta e cinco anos de dedicação ao esporte foram determinantes para superar tantas dificuldades. O preparo e a tranquilidade do atleta falaram mais alto e Pangaré bateu o próprio recorde. Nos dois anos anteriores, seu tempo ficou acima de 15 horas. Dessa vez, ele chegou em 14h34 min (ainda não é o tempo oficial, que segundo o maratonista, deve ter cerca de cinco minutos a mais). Foi o feito mais recente de uma maratona maior, da vida. No dia da prova, o atleta não deixou de expressar sua gratidão pelo apoio da Magis:

“Eu gostaria de agradecer a Magis, em particular, ao Deda Studart, por me permitir retornar a Terra Santa, concretizando o sonho de estar presente em uma das provas de deserto mais difíceis do mundo. Sou o único brasileiro na ultramaratona de 100 Km que acontece hoje. Em 2013 e 2014, estive aqui, também como único brasileiro, o que demonstra e comprova o grau de dificuldade da competição. Levarei, com certeza, no meu coração, todo o carinho e toda a afetividade que a Magis tem me proporcionado. Forte abraço.”

panga3

Nós, da Magis, também agradecemos o carinho e comemoramos a sua marca, Pagaré! É muito gratificante fazer parte da sua luta e poder contar uma história que, com certeza, inspirará a muitos, pois mostra que heróis de verdade são forjados no dia a dia, com persistência e garra até os últimos minutos! Parabéns!

25
set

Por favor, toque na arte: brinque com ela, vivencie, divirta-se

“Please Touch the Art” é o nome da exposição criada pelo artista dinamarquês Jeppe Hein no Brooklyn Brigde Park, em New York.

São três grandes instalações: uma fonte, um labirinto de espelhos e um conjunto de bancos de praça. Tudo reunido, convidando o transeunte a interagir de uma forma lúdica com a cidade. Um conceito bem interessante de conexão social.

jeppe-hein-please-touch-the-art-680x452

A fonte “Appearing Rooms” cria paredes de água que surgem e desaparecem do nada, para o delírio da criançada. Impossível resistir: os adultos se transformam em crianças e, por mais que tentem evitar, acabam se molhando.

jeppe-hein-appearing-rooms-water-dumbo-brooklyn-680x1020

jeppe-hein-mirror-sculpture-brooklyn-680x453

“Mirror Labyrinth” é feito com espelhos verticais espaçados de forma equidistante, dispostos em três grandes arcos. Segundo o artista, a instalação ajuda estranhos a sorrirem uns para os outros, ou até mesmo a iniciarem uma conversa.

jeppe-hein-please-touch-the-art-brooklyn-680x1019

Ligando essas duas obras, ao longo do parque, o artista instalou 16 bancos, os “Modified Social Benches”. Pintados de vermelho brilhante, estas esculturas funcionais reinventam a forma do banco de praça, transformando-o em uma obra lírica e evocativa da arte.

Jeppe Hein tornou-se um dos artistas contemporâneos mais célebres da Dinamarca. Atualmente vivendo em Berlim, é conhecido por suas obras envolventes, inventivas e lúdicas. Muitas vezes concebida para espaços públicos, sua arte captura um espírito generoso que instiga o público a participar de forma ativa. Um convite a viver a cidade, brincar com ela, divertir-se ao ar livre.

jeppe-hein-benches-brooklyn--680x678

A Magis traz um pouco da exposição “Please Touch the Art” até você, através deste post e do link para o site oficial. Mas como ela fica “em cartaz” até 17 de abril de 2016, quem sabe você não a visita pessoalmente?

Em tempo: você já deve ter notado que os nomes dos empreendimentos Tate e Moma foram inspirados em museus de arte, né? E você sabia que os nomes das torres de cada condomínio também não ficam pra trás em termos de inspiração artística? Homenageamos alguns dos pintores mais famosos e renomados da história! Confira: Tate Condominium: torres Leonardo da Vinci, Van Gogh, Monet e Botticelli. Moma Condominium: torres Salvador Dalí, Picasso e Miró.

Arte é tudo de bom. Melhor ainda é vivenciá-la com alegria!

 

04
jul

Crianças na praia, com segurança e alegria!

Chegaram as férias! Hora de pegar uma boa praia, com a certeza de que as águas cristalinas vão ser garantia de saúde e divertimento para toda a família. Aqui no Ceará, a pedida é começar cedo… até os bebês têm um lugar ao sol, desde que seja antes das 10 ou depois das 16 horas. crianças-na-praia-1

Uma boa dica é, ainda no planejamento das férias, garantir a hospedagem em um local perto da praia, o que vai dar mais tranquilidade para ir e vir nos momentos em que bater o cansaço (seja em crianças ou adultos). Mas há muito mais: os pais precisam estar atentos. Para começar, os pediatras liberam a ida de bebês para a praia apenas a partir dos seis meses. Se tiverem menos de um ano, devem ficar pouco ao sol, nunca por mais de meia hora. Não é recomendado nem que usem protetor, pois sua pele ainda é muito sensível. Passando de um ano, as crianças devem estar protegidas com filtro solar. O fator de proteção varia de acordo com o tipo de pele, os mais indicados para as crianças geralmente ficam entre 30 e 50. Atenção, mesmo se na embalagem indicar que o produto não sai na água, é necessário reaplicar o protetor a cada duas horas. Os pediatras recomendam ainda o uso de cremes e loções, que possibilitam formar camadas espessas e homogêneas.

Passe com cuidado, até no pé, nas orelhas e no couro cabeludo, sob o cabelo fininho (no caso de bebês). crianças-na-praia-2

Para a alimentação, melhor do que comprar ou levar guloseimas para a praia, é providenciar um bom café da manhã antes de sair. O que vai lhe ajudar também a não precisar levar mais do que o essencial, que já vai ser bastante.
Uma pequena lista de “essenciais” pode incluir: Brinquedos (o velho baldinho, pás e forminhas para areia), toalhas, lenços umedecidos, uma muda de roupa, fraldas, sandálias para proteger da areia quente, garrafinha com água filtrada ou mineral, suquinho ou água de coco. As bebidas são importantíssimas para evitar o risco da desidratação! crianças-na-praia-6

Para comer, frutas e biscoitos. Comprar sorvete na praia, só de marca conhecida. Ah, e se a criança ainda tomar mamadeira, leve-a em uma bolsa térmica.
Agora as dicas para o look: os bebês podem ser dispensados das fraldas apenas por curtos períodos, para não haver o risco de surpresas indesejadas na piscina ou na água. Embora o clima tropical e o calor convidem à nudez total, não é recomendado deixar os pequenos peladinhos na areia, pois eles são mais suscetíveis também a micoses e infecções por micro-organismos. Seguindo essa regra, a ideia é um look básico e despojado, apenas com fraldas. Para completar, há a possibilidade de uma leve camisetinha de algodão (com navios, peixes, flores ou abelhinhas). Finalize com um boné ou chapéu, que irão proteger não só do sol como também da areia fina (evitando que entre nos ouvidos). Se já não houver necessidade da fralda, a regra é: roupas confortáveis e leves! crianças-na-praia-5 crianças-na-praia-3

Um complemento extra pode ser uma piscina inflável para bebês, para os que já conseguem ficar sentadinhos. É que, mesmo se a brincadeira de molhar o pezinho na água do mar for um sucesso, é preciso protegê-los do sol na maior parte do tempo. Atenção: coloque só um fundinho de água, e não tire o olho dele durante as brincadeiras! Não são recomendadas boias, pois inspiram uma segurança ilusória, já que podem ser facilmente levadas pela correnteza. Pronto, a estratégia de ação e o look apropriado vão fazer com que os pequenos fiquem seguros e possam curtir muita saúde com sol e mar! Só falta um grande detalhe: o principal fator de segurança é o carinho. Até para as crianças maiores, é preciso haver sempre um adulto responsável, de olho nas aventuras! crianças-na-praia-4

10
dez

Estátuas “em movimento”: arte dá vida à cidade e surpreende o olhar

Existem algumas esculturas por aí… Com perfeição nos detalhes e localizadas de forma surpreendente, estátuas que enfeitam as ruas de importantes cidades do mundo – homenageando fatos ou não, mostrando pessoas ou animais – causam surpresa e encantamento. Porque parecem estar em pleno movimento!

estatuas-criativas-2

estatuas-criativas-1

estatuas-criativas-7

Impressionante, não? A criatividade parece não ter limites. E, quando adicionada ao talento, à persistência e a algum perfeccionismo, aí se torna uma obra de arte. É no mínimo maravilhoso poder deparar-se com objetos assim, quando estamos simplesmente caminhando por uma cidade…

estatuas-criativas-6

estatuas-criativas-4

estatuas-criativas-3

Achamos incrível! Se você souber de mais esculturas assim, compartilhe com a gente! Pode ser em vários canais, olhe só: no Facebook, no Instagram, no Twitter, no Youtube, no blog ou no nosso site. Ou por email, ou em nossos stands, do jeito que você preferir. 🙂

Apareça.

 

 

29
jan

Casas ecológicas de bambu: uma “aldeia verde” em Bali, Indonésia

ibuku01Imagine uma comunidade de casas ecológicas criada em conjunto com uma escola, utilizando o bambu como matéria-prima, aliado a métodos de construção muito tradicionais e a mão-de-obra de artesãos locais.

Difícil imaginar, né? Pois é exatamente isso o que está acontecendo em Bali, na Indonésia, nestas lindas casas de bambu da Green Village.

ibuku02

ibuku03

Construídas pela empresa Ibuku, ao longo do rio Ayung, as casas são construídas seguindo princípios de sustentabilidade e técnicas artesanais. O resultado são casas com uma arquitetura muito bem planejada, vista privilegiada da natureza, aconchegantes, modernas, espaçosas e lindas!

Cada casa tem suas características, cada projeto é único. Os arquitetos trabalham de acordo com os anseios e necessidades de cada cliente.

ibuku04

ibuku06

ibuku10

O bambu é um material interessantíssimo, com características muito próprias: é preciso dar o devido tempo para que ele se desenvolva e possa ser usado na construção sem gerar danos a natureza. Um broto de bambu pode se tornar uma coluna estrutural dentro de três anos, e esta coluna pode sustentar uma casa, com segurança, para toda a vida.

ibuku09

ibuku11

O Green Village, ou Vila Verde, fica localizada bem perto da Escola Verde de Bali, e há um belíssimo trabalho em conjunto entre construção e ensino por ali: de um lado, aprende-se a respeitar a natureza na construção de uma aldeia planejada; de outro, uma percentagem dos rendimentos das obras vai para a escola, custeando o estudo de jovens balineses.

ibuku13

 

12