Isso é Magis
23
nov

Todo dia é dia de preservar a vida – o bom trabalho da Aquasis

Alguns projetos trazem muitas esperanças e alegrias. São ações que se destacam na dedicação de ensinar às novas gerações que é preciso ampliar os esforços pela preservação da natureza.

No Ceará, uma das iniciativas que sinalizam para uma sociedade com maior consciência ecológica, é o Projeto Manati, da Aquasis (Associação de Pesquisa e Preservação de Ecossistemas Aquáticos), uma organização civil sem fins lucrativos. O projeto, patrocinado pela Petrobras, envolve o monitoramento de praias e atendimento a encalhes de mamíferos marinhos. A equipe percorre distintos trechos do litoral cearense a cada mês, cuidando do resgate de animais encalhados e executando campanhas de informação junto a comunidades costeiras, além de ministrar cursos de capacitação para colaboradores. A ampla divulgação dos telefones de contato é importante, e facilita que as comunidades envolvidas comuniquem os encalhes, cada vez mais frequentes.

GOLFINHO

O Monitoramento de Praias também faz parte de outro projeto, em parceria com a Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), que envolve as praias do litoral leste do Ceará ao litoral oeste do Rio Grande do Norte. No caso, a equipe da Aquasis percorre a cada 20 dias o trecho compreendido entre os municípios de Aquiraz e Aracati, no Ceará, para registrar a ocorrência de mamíferos (baleias, golfinhos, peixes-boi, etc), tartarugas, peixes e aves marinhas, e verificar uma possível correlação com a atividade que vem sendo desenvolvida na região. A Aquasis atua diretamente no resgate de mamíferos marinhos vivos e mortos e encaminha a ocorrência de encalhes de tartarugas e aves vivas para as equipes habilitadas.

O encalhe de filhotes de peixe-boi é preocupante, sendo considerado o principal fator de mortalidade da espécie, e acontece principalmente devido a destruição de estuários, que torna difícil para as fêmeas grávidas voltar aos rios depois de dar a luz em mar aberto. O filhote não consegue ficar junto da mãe e acaba encalhando. As embarcações motorizadas, principalmente as de pesca de arrasto de camarão também são apontadas como responsáveis por separar mães e filhotes ou capturá-los indevidamente.

PEIXE-BOI

Como o número de peixes-boi na natureza é muito pequeno, é provável que a espécie desapareça do Brasil se os seus habitats não forem protegidos. No Ceará, o peixe-boi marinho ocorre apenas nos dois extremos do Estado: litoral extremo oeste, na divisa com o Estado do Piauí e no litoral leste, divisa com o Rio Grande do Norte.

peixe-boi-baby

Todo ano, a Aquasis resgata uma média de três filhotes vivos. Quando não é possível juntar o filhote à sua mãe, ele é levado para o Centro de Reabilitação de Mamíferos Marinhos, no SESC Iparana, em Caucaia, no qual é minuciosamente examinado e recebe uma fórmula especial de leite que substitui o leite da mãe. Após o período de reabilitação, eles são devolvidos à natureza, em seu local de origem.

DIVULGANDO

Nos dias de diversão na praia, então, não esqueça: se for preciso, comunique o encalhe de um animal. Ligue para a AQUASIS (24 horas): (85) 3113-2137, (85) 99800-0109 ou 193 (CIOPS). Enquanto não chega ajuda, se o animal ainda estiver vivo, procure protegê-lo do sol, mantenha a sua pele úmida com a ajuda de panos umedecidos, se preciso, e afaste curiosos, que podem ser mais um fator de stress.

Agora você já sabe que pode ajudar a preservar os mamíferos marinhos (além de outras espécies), e se quiser contribuir com o Fundo Extinção Zero, clique aqui. A satisfação de ver os animais livres – e vivos – no mar vai ser, com certeza, uma das memórias mais lindas para sua família.